Economista do Ipea diz que taxa de emprego tende a se estabilizar

26 de setembro de 2013

Economia



Economista do Ipea diz que taxa de emprego tende a se estabilizar
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-26/economista-do-ipea-diz-que-taxa-de-emprego-tende-se-estabilizar
Sep 26th 2013, 17:23

Alana Gandra

Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - O coordenador do Grupo de Conjuntura (Gecon) do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Fernando Ribeiro, disse hoje (26) que "a taxa de emprego tende a se estabilizar". O coordenador falou à Agência Brasil após o lançamento da Carta de Conjuntura número 20. Ribeiro explicou que se percebe um quadro de mercado de trabalho favorável. "A taxa de desemprego permanece baixa, embora tenha parado de cair e venha se mantendo no nível que alcançou no final do ano passado".
Ribeiro explica que, apesar de a taxa de desemprego permanecer baixa, o ritmo de criação de empregos diminuiu. "Ele vinha sendo muito rápido até meados do ano passado e perdeu fôlego", disse. Por isso, o crescimento está mais lento em 2013 e mais próximo do aumento da força de trabalho.
O coordenador disse que a taxa de desemprego de 5,3%, apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em seis regiões metropolitanas em agosto, contra 5,6% em julho, é um dado positivo. Ao índice do mês passado se soma o resultado do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, divulgado no último dia 20, que aponta a geração de 127.648 empregos formais no país, com crescimento de 0,32% em comparação ao mês anterior.
Ribeiro destacou, também, que ainda existe uma geração de empregos significativa que mantém o mercado de trabalho positivo, puxada pelos setores de serviços e comércio, enquanto a indústria apresenta baixa geração de postos de trabalho, ou mesmo redução.
Os indicadores da Carta de Conjuntura referentes ao consumo mostram que houve desaceleração. Fernando Ribeiro explicou que isso reflete o impacto da inflação e, também, a criação mais lenta de empregos e a redução no mercado de crédito. Ele destacou principalmente o crédito livre, para consumo de pessoa física, que desacelerou muito, embora o crédito direcionado para o setor imobiliário, por exemplo, se mantém em alta. "As pessoas, aparentemente, ficaram mais cautelosas em tomar novos empréstimos. E tudo isso, de alguma forma, segura o consumo".
A estimativa é que o consumo deverá continuar crescendo, mas a uma taxa moderada. O movimento deverá se estender até 2014, indicou Ribeiro. "De certa forma, é bom, porque significa que continua tendo estímulo para a atividade produtiva, mas também não permite que ela não acelere". A tendência é que a produção se mantenha em ritmo também moderado.
Edição: Fábio Massalli
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Espalhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário




Explore os canais Ouni

Notícias
Nacional

Internacional
Finanças
Política
Justiça
Segundo Caderno
Esportes


Educação
Inovação

Serviços
Barra de Ferramentas

Buscador
Previsão do Tempo
Tradutor
Viagens

Entretenimento
Carros

Cultura
Famosos
MAXX FM
Música
Stations (Busca Rádios)

Estilo de vida
Homem

Mulher

Chat
Amizade

Encontros
Livre
Paquera
Sexo (+ 18 anos)
Webmasters
Outras salas

Fale conosco
Atendimento Virtual
Avalie-nos
E-mail

Fone Fácil
Fórum
Reclame Aqui
Redes Sociais

Copyright 2008 - 2018 © Ouni - Todos os direitos reservados.
"O uso desse website significa que você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade"

Informações Importantes | Política de Privacidade | Termos de Uso

Vá para o Ouni