Icann defende estímulo ao comércio de domínios nacionais na internet

10 de setembro de 2013

(Agência Brasil)


Brasília - O número de empresas nacionais com domínios na internet é baixo e isso poderá resultar em dificuldades para a expansão do comércio eletrônico no país. O problema é que no Brasil o incentivo à comercialização de domínios é baixo, informou a Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números (Icann), autoridade responsável pela coordenação global da internet.

"O Brasil tem 3,2 milhões de domínios para 190 milhões de habitantes, enquanto a Argentina tem 2,7 milhões de domínios para 40 milhões de habitantes. Alguma coisa está errada. Tem um mercado que não está sendo explorado", disse à Agência Brasil a representante do Icann no workshop Comércio Eletrônico Transfronteiras, Vanda Scartezini.

A venda dos domínios brasileiros é feita pela Registro BR, uma organização não governamental (ONG) de gestão mista, que tem em seu comitê gestor representantes do governo e da sociedade civil. Segundo Vanda, o baixo número de registros de domínio brasileiro - sites que terminam com ".br" - deve-se a falta de incentivo à revenda desses endereços no país.

"Não há uma rede de revenda de domínio que possibilite alguma margem de lucro, a exemplo do que outros donos dos principais domínios fazem. O resultado é que ninguém vende nem se sente estimulado a vender porque consegue o mesmo, pelo mesmo preço, na Registro BR", disse a integrante do grupo do Icann, que cuida da estratégia para a América Latina e Caribe.

"Há mais de 6 milhões de pequenas empresas no Brasil e só 3 milhões de nomes de domínio debaixo do '.br'. Mais de 3 milhões delas não têm domínio. Ou seja, não têm vitrine para participar do comércio eletrônico", acrescentou Vanda.

Ela lembra que, apesar de apenas a metade dos usuários de internet no Brasil utilizarem o comércio eletrônico, este é um mercado promissor, principalmente devido ao chamado bônus demográfico brasileiro, período em que o país alcançará a maior proporção de pessoas em idade ativa, entre 15 e 64 anos, em relação à população total.

"Esse bônus demográfico previsto para o Brasil é muito positivo porque terá uma população [majoritária] economicamente ativa até 2025, que poderá usar a internet para fazer suas compras", completou Vanda.

Espalhe:


Explore o MAXX

Notícias
Nacional

Internacional
Finanças
Política
Justiça
Segundo Caderno
Esportes


Educação
Inovação

Serviços
Barra de Ferramentas

Buscador
Locais
Previsão do Tempo
Tradutor
Viagens

Entretenimento
Carros

Cultura
Famosos
MAXX FM
Música
Stations (Busca Rádios)

Estilo de vida
Homem

Mulher

Chat
Amizade

Encontros
Livre
Paquera
Sexo (+ 18 anos)
Webmasters
Outras salas

Fale conosco
Atendimento Virtual
Avalie-nos
E-mail

Fone Fácil
Fórum
Reclame Aqui
Redes Sociais

Copyright 2008 - 2019 © DVRG - Todos os direitos reservados.
"O uso desse website significa que você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade"

Informações Importantes | Política de Privacidade | Termos de Uso

Vá para o Ouni