CNI defende investimento em infra-estrutura para melhorar escoamento da produção no Centro-Oeste

29 de outubro de 2013

Economia



CNI defende investimento em infra-estrutura para melhorar escoamento da produção no Centro-Oeste
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-29/cni-defende-investimento-em-infra-estrutura-para-melhorar-escoamento-da-producao-no-centro-oeste
Oct 29th 2013, 17:19

Jorge Wamburg

Repórter da Agência Brasil
Brasília – O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, destacou hoje (29), ao detalhar o Projeto Centro-Oeste Competitivo, que prevê obras infraestruturais até 2020, a necessidade de uma rede de transportes integrada e eficiente para facilitar a distribuição dos produtos e aumentar a competitividade brasileira. Segundo Andrade, existem carências e oportunidades de investimento nos diversos modos de transporte, especialmente no setor ferroviário.
O estudo divulgado pela CNI e pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) indica obras para o Centro-Oeste cuja execução poderá gerar economia de R$ 7,2 bilhões anuais no escoamento da produção para os mercados interno e externo. De acordo com o projeto, que analisou a situação das regiões produtoras do Distrito Federal, de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, a execução das obras indicadas poderá gerar economia equivalente a R$ 7,2 bilhões no escoamento da produção para os mercados interno e externo.
Conforme dados da CNI, a malha ferroviária brasileira tem apenas 3,5 quilômetros de infraestrutura instalada por mil quilômetros quadrados de área. No México e na China, ela chega a 9 quilômetos e, nos Estados Unidos, a 22,9. Segundo a CNI, a carência do Brasil nesse segmento dificulta a adequação do setor produtivo aos padrões de competição no mercado internacional.
Além dos problemas da infraestrutura física, o estudo diz que a falta de vias adequadas nos cruzamentos em cidades, rodovias e pontes é um dos fatores que impedem maior velocidade média dos trens. O projeto destaca ainda a necessidade de conclusão da Ferrovia Norte-Sul e da BR-163 e de modernização das hidrovias dos rios Paraguai e Madeira e atenção a rodovias da região que estão sendo utilizadas acima de sua capacidade. Segundo o estudo, a modernização das hidrovias poderá gerar economia anual de R$ 2,3 bilhões.
Robson Andrade enfatizou que a implantação de um sistema de infraestrutura logística integrando todos os modos de transporte exige planejamento cuidadoso e disse que "a indústria pode e quer participar" desse esforço. "Investimentos em transportes exigem longos períodos de tramitação nos órgãos do governo e de construção. Por isso, os projetos precisam ser bem estruturados com antecedência de 20 a 30 anos."
O estudo diz que o setor produtivo da região (indústria, agricultura e atividades extrativas) gasta R$ 31,6 bilhões por ano com o transporte de cargas, o equivalente a 8,7% do Produto Interno Bruto (PIB) do Centro-Oeste. A execução dos projetos prioritários para a construção de uma malha logística eficiente trará uma economia anual de R$ 7,2 bilhões no escoamento da produção, considerando-se o volume de cargas projetado para 2020.
Com previsão de investimentos de R$ 36,4 bilhões em 106 projetos prioritários até 2020, o projeto tem como objetivo desenvolver a infraestrutura de transportes do Centro-Oeste (estradas, ferrovias e hidrovias) para escoamento dos produtos da região. O projeto envolve o mapeamento da atual infraestrutura e a implantação de uma nova rede. O estudo identificou 15 cadeias produtivas e a necessidade de 308 obras de modernização e ampliação, a um custo aproximado de R$ 159 bilhões até 2020, entre elas as 106 consideradas prioritárias.
Entre os projetos prioritários, 48% dos recursos previstos são destinados a ferrovias; 23% a portos; 18% a hidrovias e 10% a rodovias. De acordo com a CNI, a execução das obras prioritárias poderá reduzir em 11,8% nas perdas totais causadas pela precariedade da infraestrutura de transportes, com economia equivalente a R$ 7,2 bilhões no escoamento para os mercados interno e externo, considerando-se o volume de cargas projetado para 2020. Atualmente, segundo dados da pesquisa, o setor produtivo do Centro-Oeste gasta R$ 60,9 bilhões por ano com o transporte de cargas, o equivalente a 8,7% do Produto Interno Bruto (PIB) da região.
Edição: Nádia Franco
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Espalhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Explore os canais Ouni

Notícias
Nacional

Internacional
Finanças
Política
Justiça
Segundo Caderno
Esportes


Educação
Inovação

Serviços
Barra de Ferramentas

Buscador
Locais
Previsão do Tempo
Tradutor
Viagens

Entretenimento
Carros

Cultura
Famosos
MAXX FM
Música
Stations (Busca Rádios)

Estilo de vida
Homem

Mulher

Chat
Amizade

Encontros
Livre
Paquera
Sexo (+ 18 anos)
Webmasters
Outras salas

Fale conosco
Atendimento Virtual
Avalie-nos
E-mail

Fone Fácil
Fórum
Reclame Aqui
Redes Sociais

Copyright 2008 - 2019 © DVRG - Todos os direitos reservados.
"O uso desse website significa que você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade"

Informações Importantes | Política de Privacidade | Termos de Uso

Vá para o Ouni