Governo só consegue alcançar meta de esforço fiscal graças a receitas extras

30 de dezembro de 2013

Economia



Governo só consegue alcançar meta de esforço fiscal graças a receitas extras
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-12-30/governo-so-consegue-alcancar-meta-de-esforco-fiscal-gracas-receitas-extras
Dec 30th 2013, 20:10


Wellton Máximo

Repórter da Agência Brasil
Brasília – Depois de uma série de manobras fiscais em 2012, a administração das contas públicas continuou a enfrentar críticas em 2013. Com a arrecadação crescendo menos que o previsto, o governo diminuiu a meta de superávit primário (economia para pagar os juros da dívida pública) ao longo do ano e teve de recorrer a receitas extraordinárias para alcançar o esforço fiscal estipulado.
Em 2012, o governo passou por dificuldades para economizar o estabelecido e teve de usar cerca de R$ 12,4 bilhões do Fundo Soberano (poupança extra formada em 2008) e a R$ 7 bilhões de dividendos da Caixa Econômica e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para fechar as contas. As operações provocaram críticas de economistas, que foram rebatidas pelo governo. O secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, reiterou que lei não foi desrespeitada em nenhum momento.
Inicialmente, o governo deu sinais de que cumpriria a meta de superávit primário de R$ 155 bilhões, equivalentes a 3,1% do Produto Interno Bruto (PIB). No entanto, o baixo crescimento da economia e as desonerações de impostos tiveram reflexos na arrecadação. Para não descumprir a meta fiscal, a equipe econômica recorreu ao mecanismo que permite o abatimento de gastos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e de perdas de receitas com desonerações e reduziu a meta para 2,3% do PIB.
Além das contas federais, a equipe econômica teve uma nova preocupação. Os estados e municípios passaram a gastar mais em 2013. "Como estão menos endividados, os governos regionais tiveram espaço para investir mais e isso impacta os resultados", explicou o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel. Em julho, o Tesouro Nacional elevou em R$ 10 bilhões a meta de superávit primário para compensar o desempenho fraco das prefeituras e dos governos estaduais.
Ao longo do ano, o governo registrou sucessivos resultados primários baixos que ameaçavam o cumprimento da meta reduzida. A situação só melhorou com medidas que garantiram receitas extras para o governo no fim de ano e fizeram o superávit primário bater recorde em novembro.
Em novembro, o governo instituiu um parcelamento especial para bancos, seguradoras e multinacionais que contestavam o pagamento de tributos na Justiça e conseguiu reforçar o caixa em R$ 20,4 bilhões. Além disso, o pagamento dos R$ 15 bilhões do bônus de assinatura do campo de Libra, na área do pré-sal garantiu recursos para o Tesouro.
O resultado primário de 2013 só será divulgado no fim de janeiro, mas o secretário do Tesouro assegurou o cumprimento da meta reduzida de superávit. Apesar do expressivo esforço no fim de ano, a administração das contas públicas durante o ano provocou críticas de especialistas.
"Sou a favor de o governo fazer política anticíclica e gastar mais em tempos de crescimento baixo, mas a falta de comunicação levou a mal-entendidos e passou a impressão de descontrole", disse o professor Francisco Luiz Lopreato, da Universidade de Campinas (Unicamp), especialista em política fiscal. "O governo tinha apostado que a economia cresceria mais de 3% neste ano, o que permitiria que as desonerações não tivessem impacto sobre as contas públicas. Isso não aconteceu, e a equipe econômica não soube explicar como se adaptaria ao novo cenário", completou.
Para 2014, o professor acredita que a situação fiscal melhorará por causa da recuperação da economia. O economista chefe da consultoria Austin Rating, Alex Agostini, é menos otimista. Segundo ele, as receitas extraordinárias que garantiram superávits primários expressivos no fim de 2013 não se repetirão em 2014 e põem em dúvida a capacidade do governo de cumprir a meta no próximo ano (neste ano se a matéria sair depois de 1º de janeiro). "As receitas têm crescido mais por fatores pontuais que recorrentes. Embora o governo cumpra a meta neste ano, não se sabe se o esforço fiscal vai ter sustentabilidade em 2014", avaliou.

Edição: Aécio Amado
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Espalhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário




Explore os canais Ouni

Notícias
Nacional

Internacional
Finanças
Política
Justiça
Segundo Caderno
Esportes


Educação
Inovação

Serviços
Barra de Ferramentas

Buscador
Previsão do Tempo
Tradutor
Viagens

Entretenimento
Carros

Cultura
Famosos
MAXX FM
Música
Stations (Busca Rádios)

Estilo de vida
Homem

Mulher

Chat
Amizade

Encontros
Livre
Paquera
Sexo (+ 18 anos)
Webmasters
Outras salas

Fale conosco
Atendimento Virtual
Avalie-nos
E-mail

Fone Fácil
Fórum
Reclame Aqui
Redes Sociais

Copyright 2008 - 2017 © Ouni - Todos os direitos reservados.
"O uso desse website significa que você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade"

Informações Importantes | Política de Privacidade | Termos de Uso

Vá para o Ouni