OMC vai traçar mapa para avanço da Rodada Doha em 2014, diz Azevêdo

19 de dezembro de 2013

Economia



OMC vai traçar mapa para avanço da Rodada Doha em 2014, diz Azevêdo
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-12-19/omc-vai-tracar-mapa-para-avanco-da-rodada-doha-em-2014-diz-azevedo
Dec 19th 2013, 18:34

Mariana Branco

Repórter da Agência Brasil
Brasília – Após o acordo de facilitação de comércio negociado em Bali, a Organização Mundial do Comércio (OMC) traçará um mapa que permita prosseguir com a Rodada Doha. Segundo o diretor-geral do órgão, Roberto Azevêdo, a ideia é usar a experiência adquirida em Bali e se debruçar sobre o assunto até o fim de 2014. "Vamos trocar ideias em Genebra sobre por que Bali deu certo e o que nos levou ao fracasso nos momentos anteriores. Estaremos prontos para ser criativos, para ter a mentalidade aberta e ter a flexibilidade necessária e traçar um mapa factível", disse.
O diretor-geral declarou que o núcleo central das discussões de Doha será o tripé – agricultura, bens industriais e serviços. Portanto, estará na mesa o tema dos subsídios agrícolas concedidos pela União Europeia. "Dificilmente você vai conseguir avançar em negociações em um desses três pilares sem que os outros dois estejam sobre a mesa igualmente. Na medida em que se fala em avançar na Rodada Doha, está se falando em avançar em agricultura junto com outras áreas de negociação", disse.
Azevêdo também voltou a destacar o caráter histórico do pacote de Bali. "Há quase 20 anos não concluímos nenhum acordo multilateral. Chegamos perto várias vezes, mas sempre falhamos no minuto final. Alguns analistas tendem a dizer que o acordo foi pequeno, foi fácil. Na verdade, não foi pequeno e nem fácil. A importância econômica, segundo estimativa de economistas, é que eleve os possíveis ganhos a mais de centenas de bilhões de dólares por ano e até a um trilhão", disse. O diretor da OMC explicou que, atualmente, está sendo preparada a implementação do acordo. "Estamos negociando como entrará em vigor a legalização e a implementação".
Roberto Azevêdo comentou ainda o anúncio do Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos Estados Unidos) de retirada gradual dos estímulos à economia norte-americana. Segundo ele, até o momento, está mantida a projeção da OMC de crescimento de 4,5% do comércio mundial para o ano que vem, mas que o número pode vir a ser revisto. "Ainda é um crescimento anêmico comparado a taxas históricas, que costumavam ser 6%. Desde 2008 [o crescimento] tem sido inferior", disse.
Azevêdo deu as declarações em coletiva de imprensa na Confederação Nacional da Indústria (CNI), após reunir-se com o presidente da entidade, Robson Andrade. Foi o primeiro encontro do diretor-geral com o setor privado desde Bali. Ele disse ainda que a indústria brasileira teve papel importante nas negociações e que continuará em contato com a CNI a respeito de Doha.



Edição: Carolina Pimentel
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias, é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil




You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Espalhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário




Explore os canais Ouni

Notícias
Nacional

Internacional
Finanças
Política
Justiça
Segundo Caderno
Esportes


Educação
Inovação

Serviços
Barra de Ferramentas

Buscador
Previsão do Tempo
Tradutor
Viagens

Entretenimento
Carros

Cultura
Famosos
MAXX FM
Música
Stations (Busca Rádios)

Estilo de vida
Homem

Mulher

Chat
Amizade

Encontros
Livre
Paquera
Sexo (+ 18 anos)
Webmasters
Outras salas

Fale conosco
Atendimento Virtual
Avalie-nos
E-mail

Fone Fácil
Fórum
Reclame Aqui
Redes Sociais

Copyright 2008 - 2017 © Ouni - Todos os direitos reservados.
"O uso desse website significa que você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade"

Informações Importantes | Política de Privacidade | Termos de Uso

Vá para o Ouni