Sem parcelamentos, arrecadação fecharia ano com crescimento de 2,5% acima da inflação

16 de dezembro de 2013

Economia



Sem parcelamentos, arrecadação fecharia ano com crescimento de 2,5% acima da inflação
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-12-16/sem-parcelamentos-arrecadacao-fecharia-ano-com-crescimento-de-25-acima-da-inflacao
Dec 16th 2013, 16:50


Wellton Máximo

Repórter da Agência Brasil
Brasília – Os parcelamentos especiais que renderam R$ 20,4 bilhões aos cofres públicos não foram os únicos responsáveis pela arrecadação federal recorde em novembro. Segundo a Receita Federal, a recuperação da economia no segundo semestre impulsionaria o caixa do governo mesmo sem as renegociações de dívidas com grandes empresas.
Sem os refinanciamentos extraordinários, a arrecadação federal encerraria o ano com crescimento de 2,5% acima da inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), disse hoje (18) o secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto. De acordo com ele, o aumento da produção industrial e a maior lucratividade das empresas seriam suficientes para sustentar a alta das receitas da União em 2013.
Em outubro, a Receita tinha admitido a possibilidade de o crescimento real da arrecadação em 2013 (sem considerar os parcelamentos) ficar próximo de 2%. Com os dados de novembro, o órgão retomou o otimismo e voltou a apostar na expansão de 2,5%. Além da recuperação da atividade econômica, o secretário cita a recomposição parcial do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) da linha branca como fator que elevará a arrecadação no fim do ano.

De janeiro a novembro, a arrecadação federal acumula crescimento de 3,63% acima do IPCA. Sem os parcelamentos extraordinários, no entanto, a expansão cairia para 1,83%. Barreto, no entanto, assegurou que as receitas da União vão se acelerar em dezembro.
"Continuamos otimistas por alguns fatores. Em primeiro lugar, os indicadores econômicos vão bem e mostram uma clara recuperação da atividade. Além disso, a lucratividade das empresas, [que] está aumentando, e a recomposição parcial do IPI para alguns produtos vão ajudar a manter a projeção de 2,5% [de crescimento acima da inflação]", destacou Barreto.
O secretário evitou passar uma projeção de crescimento real da arrecadação considerando os parcelamentos especiais abertos em novembro. Segundo Barreto, não é possível fazer uma previsão porque o Refis da Crise, que envolve a renegociação de dívidas de qualquer natureza com a União, envolve um número grande de contribuintes com volumes não expressivos de débitos. "A adesão ao Refis vai até o fim do ano, e muitos contribuintes deixam para pedir a renegociação em cima da hora", declarou.

Edição: Aécio Amado
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Espalhe:

Nenhum comentário:

Postar um comentário




Explore os canais Ouni

Notícias
Nacional

Internacional
Finanças
Política
Justiça
Segundo Caderno
Esportes


Educação
Inovação

Serviços
Barra de Ferramentas

Buscador
Previsão do Tempo
Tradutor
Viagens

Entretenimento
Carros

Cultura
Famosos
MAXX FM
Música
Stations (Busca Rádios)

Estilo de vida
Homem

Mulher

Chat
Amizade

Encontros
Livre
Paquera
Sexo (+ 18 anos)
Webmasters
Outras salas

Fale conosco
Atendimento Virtual
Avalie-nos
E-mail

Fone Fácil
Fórum
Reclame Aqui
Redes Sociais

Copyright 2008 - 2017 © Ouni - Todos os direitos reservados.
"O uso desse website significa que você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade"

Informações Importantes | Política de Privacidade | Termos de Uso

Vá para o Ouni