Inadimplência cresce e consumo cai pela primeira vez em 20 meses

10 de setembro de 2013

Economia



Inadimplência cresce e consumo cai pela primeira vez em 20 meses
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-10/inadimplencia-cresce-e-consumo-cai-pela-primeira-vez-em-20-meses
Sep 10th 2013, 16:25

Mariana Branco

Repórter da Agência Brasil

Brasília – A inadimplência do consumidor no comércio cresceu 0,72% em agosto, na comparação com o mesmo mês do ano passado. É o primeiro aumento após quatro meses de queda. Em relação a julho deste ano, houve alta de 1,34% no calote. As vendas a prazo tiveram retração de 0,62% frente a agosto de 2012, o primeiro recuo registrado em 20 meses. Na comparação com julho, subiram 0,80%.
Os dados foram divulgados hoje (10) pela Câmara Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), que coordena o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). De acordo com o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Jr., o endividamento está contribuindo para o consumidor colocar o pé no freio. Pellizzaro informou que a entidade voltou a revisar a estimativa de crescimento das vendas do varejo para 2013. A previsão inicial, de 6%, foi ajustada para 4,5% há dois meses e agora está em 4%. Para a CNDL, a inadimplência terá novas altas nos próximos meses e só apresentará recuo próximo às festas de final de ano.
"Os indicadores estão confirmando o que vínhamos observando desde o início do ano e agora se concretiza. Nosso indicador mede a venda com utilização do crédito. O crédito, como fomentador, vem perdendo força. É muito fruto do comprometimento do orçamento", disse Pellizzaro. Segundo ele, o cenário não é considerado de todo ruim. "[O cuidado do consumidor em não fazer novas dívidas] vai permitir que, no futuro, a sustentação do crescimento seja em base firme." Para ele, haveria problema se a liberação de crédito fosse feita de forma pouco criteriosa.
A CNDL preocupa-se, no entanto, com o desempenho de fatores como juros, renda e emprego. De acordo com Pellizzaro, além do receio do consumidor em contrair mais débitos, a elevação pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central da taxa básica de juros, a Selic, em 0,5 ponto percentual, para 9%, é outro fator que restringirá as compras a crédito. "Tudo está indicando que [a elevação dos juros] vai continuar. Deve impactar o fim do ano", avaliou.
Para Roque Pellizzaro, o aumento do salário mínimo, que no próximo ano deve ficar em R$ 722,90, foi modesto. A CNDL acompanha com atenção, ainda, os resultados do Cadastro Geral de Empregados e e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho. "A coluna emprego é pilar para manutenção de vendas. Se o Caged vier mais uma vez ruim, mostrará uma tendência", opinou Pellizzaro.
Edição: Nádia Franco
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Venda de etanol cresce 0,5% em agosto

(Agência Brasil)


São Paulo – As vendas de etanol das unidades produtoras da região Centro-Sul totalizaram 2,54 bilhões de litros em agosto, com aumento de 0,51% sobre o volume registrado em julho. Em relação a agosto do ano passado, houve alta de 21,41%. Os dados foram divulgados hoje (10) pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

Do total de etanol vendido em agosto, 369,11 milhões de litros destinaram-se à exportação e 2,17 bilhões de litros ao mercado interno, sendo 922,77 milhões de litros de etanol anidro e 1,25 bilhão de litros etanol hidratado (usado nos carros flex). O resultado representa alta de 3,37%, quando comparado aos 1,21 bilhão de litros vendidos em julho, e de 20,69% sobre o valor apurado em agosto de 2012.

Segundo a Unica, parte significativa desse total deve-se à resposta dos consumidores proprietários de veículos flex, que voltaram a consumir mais etanol hidratado do que gasolina.

Icann defende estímulo ao comércio de domínios nacionais na internet

(Agência Brasil)


Brasília - O número de empresas nacionais com domínios na internet é baixo e isso poderá resultar em dificuldades para a expansão do comércio eletrônico no país. O problema é que no Brasil o incentivo à comercialização de domínios é baixo, informou a Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números (Icann), autoridade responsável pela coordenação global da internet.

"O Brasil tem 3,2 milhões de domínios para 190 milhões de habitantes, enquanto a Argentina tem 2,7 milhões de domínios para 40 milhões de habitantes. Alguma coisa está errada. Tem um mercado que não está sendo explorado", disse à Agência Brasil a representante do Icann no workshop Comércio Eletrônico Transfronteiras, Vanda Scartezini.

A venda dos domínios brasileiros é feita pela Registro BR, uma organização não governamental (ONG) de gestão mista, que tem em seu comitê gestor representantes do governo e da sociedade civil. Segundo Vanda, o baixo número de registros de domínio brasileiro - sites que terminam com ".br" - deve-se a falta de incentivo à revenda desses endereços no país.

Cepal: exportações da América Latina e do Caribe devem crescer 1,5% este ano

(Agência Brasil)


Brasília – As exportações da América Latina e do Caribe devem crescer 1,5%, neste ano, próximo da expansão registrada em 2012 (1,4%). A previsão é da Comissão Econômica para América Latina e o Caribe (Cepal), que divulgou hoje (10) o Panorama da Inserção Internacional da região em 2013.

Segundo a Cepal, deve haver expansão de 3% em volume de exportações e queda de 1,5% em preços. A previsão para o valor das importações é expansão de 4,5%. Assim, o superávit comercial da região que chegou a US$ 41 bilhões, em 2012, vai cair para US$ 8 bilhões, neste ano.

IBGE reduz em 634 mil toneladas previsão de safra deste ano

(Agência Brasil)


Rio de Janeiro – A mais recente previsão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para a safra deste ano, feita em agosto, é 0,3% menor do que a estimativa divulgada no mês anterior. Segundo Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LPSA), a previsão para 2013 é 187,3 milhões de toneladas, ou seja, 634,4 mil toneladas a menos do que a estimativa de julho.

Mesmo com a queda entre julho e agosto, a safra deste ano deve ser 15,7% superior à do ano passado. Na comparação com 2012, as três principais lavouras deverão ter aumento na produção: soja (23,8%), milho (13,3%) e arroz (2,7%).

IPC-S avança em cinco capitais, divulga FGV

(Agência Brasil)


Rio de Janeiro – O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) se comportou, em cinco capitais brasileiras, como o indicador nacional apresentando acréscimo na taxa da primeira semana de setembro em relação à última semana de agosto. A Fundação Getulio Vargas divulgou hoje (10) que apenas duas capitais tiveram recuo na variação.

Salvador foi a cidade que teve maior acréscimo na taxa, de 0,18 ponto percentual, com destaque para os grupos saúde e cuidados pessoais e alimentação. O IPC-S da capital baiana passou de -0,26% para -0,08%, o menor entre as cidades pesquisadas.

Brasília (+0,15 pp), Belo Horizonte (+0,12 pp) e Recife (+0,07 pp) também tiveram variação maior que a média nacional – 0,05 ponto percentual. Já São Paulo teve crescimento igual ao do país, e apresenta taxa de 0,10%, a segunda menor entre as capitais. Com exceção de Brasília, todas tiveram, entre os principais aumentos, o do grupo alimentação.

Primeira prévia de setembro do IGP-M registra inflação de 1,02%

(Agência Brasil)


Rio de Janeiro - O Índice Geral de Preços (IGP-M) registrou inflação de 1,02% na primeira prévia de setembro, taxa superior ao 0,13% da primeira prévia de agosto. O índice, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e usado no reajuste de contratos de aluguel, acumula taxas de 3,2% no ano e 3,9% em 12 meses.

A alta foi puxada pelos preços no atacado, medido pelo Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), e no varejo, calculado pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC). A taxa no atacado passou de 0,15% em agosto para 1,42% em setembro. O IPC, que havia registrado deflação (queda de preços) de 0,04% em agosto, teve inflação de 0,2% em setembro.



Explore os canais Ouni

Notícias
Nacional

Internacional
Finanças
Política
Justiça
Segundo Caderno
Esportes


Educação
Inovação

Serviços
Barra de Ferramentas

Buscador
Previsão do Tempo
Tradutor
Viagens

Entretenimento
Carros

Cultura
Famosos
MAXX FM
Música
Stations (Busca Rádios)

Estilo de vida
Homem

Mulher

Chat
Amizade

Encontros
Livre
Paquera
Sexo (+ 18 anos)
Webmasters
Outras salas

Fale conosco
Atendimento Virtual
Avalie-nos
E-mail

Fone Fácil
Fórum
Reclame Aqui
Redes Sociais

Copyright 2008 - 2017 © Ouni - Todos os direitos reservados.
"O uso desse website significa que você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade"

Informações Importantes | Política de Privacidade | Termos de Uso

Vá para o Ouni