Fluxo cambial está negativo em US$ 965 milhões no ano

24 de setembro de 2013

Economia



Fluxo cambial está negativo em US$ 965 milhões no ano
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/fluxo-cambial-esta-negativo-em-us-965-milhoes-no-ano
Sep 24th 2013, 19:58

Stênio Ribeiro

Repórter da Agência Brasil

Brasília – O saldo entre entradas e saídas de dólares, conhecido como fluxo cambial, está negativo em US$ 3,2 bilhões no mês de setembro, até a última sexta-feira (20), informou o chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Túlio Maciel, ao divulgar o Relatório do Setor Externo referente a agosto.
A conta comercial de setembro está com saldo de US$ 1,358 bilhão no mês, enquanto a conta financeira tem déficit de US$ 4,561 bilhões. Em decorrência, o fluxo cambial de agosto, que foi positivo em US$ 2,238 bilhões, depois de três meses no vermelho, volta a ficar negativo no ano, com déficit de US$ 965 milhões.
A expectativa de saldo comercial (exportações menos importações) caiu para US$ 2 bilhões, ante projeção anterior de US$ 7 bilhões. Números divulgados ontem (23) pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior indicavam déficit de US$ 2,26 bilhões no ano até o último sábado (21).
Além de as operações financeiras apresentarem saldo negativo há oito meses, as exportações brasileiras também continuam fracas, apesar de o BC ter eliminado, em julho, as restrições de prazos para financiamento de pagamentos antecipados. O adiantamento sobre contrato de câmbio (ACC), cujo financiamento era limitado a cinco anos, agora pode ser por prazos mais longos para facilitar a vida do exportador e aumentar a oferta de dólares no mercado.
Edição: Nádia Franco
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil





You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Reservas internacionais diminuíram US$ 854 milhões em agosto, segundo BC

Economia



Reservas internacionais diminuíram US$ 854 milhões em agosto, segundo BC
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/reservas-internacionais-diminuiram-us-854-milhoes-em-agosto-segundo-bc
Sep 24th 2013, 19:09

Stênio Ribeiro

Repórter da Agência Brasil

Brasília – As reservas internacionais do Brasil, no conceito de liquidez, totalizaram US$ 372,819 bilhões no mês de agosto, com redução de US$ 854 milhões em relação ao mês anterior, informou hoje (24) o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Túlio Maciel.
Ao divulgar o Relatório do Setor Externo referente a agosto, Maciel lembrou que, no mês passado, foram feitas operações de venda de dólares, com compromisso de recompra futura pela autoridade monetária, no valor de US$ 5,8 bilhões. Os leilões diários, que tiveram início no dia 22 de agosto, oferecem a moeda norte-americana no mercado à vista e buscam conter a cotação do dólar, que fechou naquele dia a R$ 2,42.
Túlio Maciel revelou que o estoque de reservas foi remunerado em US$ 284 milhões no mês, embora as variações por preços e paridade das cotações em alta tenha reduzido o estoque em US$ 1,710 bilhão.
O relatório do BC mostra ainda que a dívida externa estimada em agosto ficou em US$ 311,474 bilhões, ou US$ 6,569 bilhões menor que a do mês de junho, que tem o último número consolidado para a dívida, de US$ 318,043 bilhões, e evoluiu para US$ 314,072 bilhões em julho, ainda pendente de consolidação.
A dívida externa estimada de longo prazo caiu para US$ 276,774 bilhões, enquanto o estoque de curto prazo ficou estável em US$ 34,701 bilhões. A variação da dívida externa de longo prazo decorre principalmente de amortizações líquidas de empréstimos tomados pelos bancos.
Edição: Nádia Franco
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Governo está debatendo Plano Mais Pecuária para incentivar produção e exportação de carne e leite

Economia



Governo está debatendo Plano Mais Pecuária para incentivar produção e exportação de carne e leite
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/governo-esta-debatendo-plano-mais-pecuaria-para-incentivar-producao-e-exportacao-de-carne-e-leite
Sep 24th 2013, 19:21

Mariana Branco

Repórter da Agência Brasil
Brasília – O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento está debatendo com as cadeias produtivas da carne e do leite o Plano Mais Pecuária, que terá as vertentes Mais Carne e Mais Leite e será lançado com o objetivo de aumentar as exportações e produtividade dos dois setores. Hoje (24), os produtores de carne ouviram a proposta inicial do governo e apresentaram sugestões. Na quinta-feira (26) será a vez dos produtores de leite. Por enquanto, não há data para lançamento do Plano Mais Pecuária. Está programada uma série de reuniões a respeito entre governo e produtores.
"Na semana passada, tivemos uma reunião com as duas câmaras [Câmara da Cadeia Produtiva da Carne Bovina e Câmara da Cadeia Produtiva do Leite]. Esta semana estamos fazendo reunião com cada setor em separado para detalhar as propostas. Estamos recolhendo contribuições e ainda devem ocorrer muitas reuniões. Há inclusive uma proposta de reuniões regionais", disse João Cruz, chefe da assessoria de Gestão Estratégica do Ministério da Agricultura.
De acordo com Cruz, a ideia, com a criação de uma política nacional para a carne e o leite, é articular alternativas para os produtores que atualmente estão fragmentadas. "Já existem diversos programas na agropecuária [que beneficiam carne e leite]. Tem crédito com o Plano Safra, assistência técnica com a Embrapa [Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária]", destacou. Entre os pontos que o governo se propõe a contemplar estão o aprimoramento genético do rebanho, incorporação de tecnologia e de mecanismos para segurança e qualidade dos produtos.
Para Antenor Nogueira, presidente da Câmara da Cadeia Produtiva de Carne Bovina e do Fórum Nacional Permanente de Pecuária de Corte da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a disposição do governo em criar uma política para os dois setores é bem-vinda. "A partir do momento em que vê que terá aumento de renda, o produtor rural é o primeiro a participar", disse.
Nogueira defendeu, no entanto, empenho do governo federal para solucionar a questão do repasse de recursos à Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura. Além de necessitar de investimentos para a fiscalização federal, a secretaria deve destinar dinheiro aos convênios entre governo federal e estados para ações de defesa agropecuária.
Parte dos recursos, previstos no Orçamento da União, ainda não foram liberados este ano. "Pode jogar por água abaixo [as ações de defesa] se não houver um sinal verde. Os estados solicitaram os recursos para os convênios e não foram liberados. O ministério não tem pessoal para fazer toda a fiscalização. Imagine o risco de pragas e doenças. Como propor um plano para aumentar as exportações de carne e leite sem a liberação?", questionou Antenor Nogueira.
Edição: Fábio Massalli
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Venda de títulos públicos pela internet registra segundo melhor nível da história em agosto

Economia



Venda de títulos públicos pela internet registra segundo melhor nível da história em agosto
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/venda-de-titulos-publicos-pela-internet-registra-segundo-melhor-nivel-da-historia-em-agosto
Sep 24th 2013, 18:52

Wellton Máximo

Repórter da Agência Brasil
Brasília – As vendas de títulos públicos a pessoas físicas pela internet caíram em agosto, mas atingiram o segundo melhor nível da história para o mês. Segundo números divulgados hoje (24) pelo Tesouro Nacional, o total de papéis vendidos por meio do Programa Tesouro Direto somou R$ 273,37 milhões no mês passado.
O valor é 1,05% superior ao registrado em julho (R$ 270,52 milhões). No entanto, o montante vendido caiu 26,55% em relação a agosto do ano passado (R$ 372,19 milhões), quando as vendas tinham batido recorde para o mês.
No mês passado, os títulos mais comprados foram os corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial. Esses papéis concentraram 44,5% das vendas em agosto.
Em segundo lugar, vieram os papéis prefixados (com juros definidos antecipadamente), que responderam por 39,7% das vendas. Em terceiro, ficaram os títulos vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia), com participação de 15,7%.
O número total de investidores cadastrados no programa alcançou 362.158, o que representa aumento de 15,36% nos últimos 12 meses. Somente em agosto, 4.244 participantes aderiram ao Tesouro Direto. Os investimentos de menor valor continuaram a liderar a preferência dos aplicadores. As vendas abaixo de R$ 5 mil concentraram 67,7% do volume aplicado no mês.
O estoque de títulos públicos aplicados no Tesouro Direto subiu 1,7% em agosto, para R$ 10,30 bilhões. Isso ocorreu porque, no mês passado, o Tesouro resgatou R$ 162,2 milhões. A variação do estoque representa a diferença entre as vendas e os resgates, mais o reconhecimento dos juros que incidem sobre os títulos.
O Tesouro Direto foi criado em janeiro de 2002 para popularizar esse tipo de aplicação e permitir que pessoas físicas possam adquirir títulos públicos diretamente do Tesouro, via internet, sem intermediação de agentes financeiros. O aplicador só tem que pagar uma taxa à corretora responsável pela custódia dos títulos. Mais informações podem ser obtidas no site do Tesouro Direto: https://www.tesouro.fazenda.gov.br/pt/tesouro-direto.
A venda de títulos é uma das formas que o governo tem de captar recursos para pagar dívidas e honrar compromissos. Em troca, o Tesouro Nacional se compromete a devolver o valor com um adicional, que pode variar de acordo com a Selic, índices de inflação, câmbio ou uma taxa definida antecipadamente.
Edição: Fábio Massalli
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Gastos de brasileiros no exterior somam US$ 2,227 bilhões em agosto

Economia



Gastos de brasileiros no exterior somam US$ 2,227 bilhões em agosto
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/gastos-de-brasileiros-no-exterior-somam-us-2227-bilhoes-em-agosto
Sep 24th 2013, 17:42

Stênio Ribeiro

Repórter da Agência Brasil
Brasília – Os gastos de turistas brasileiros no exterior bateram recorde em agosto. Apesar da desvalorização do real em relação ao dólar, eles deixaram lá fora US$ 2,227 bilhões, ou 15,80% a mais que em agosto do ano passado, enquanto a receita com turistas estrangeiros no Brasil foi US$ 517 milhões (4,6% a menos que os US$ 542 milhões de igual mês de 2012). O país ficou com déficit de US$ 1,710 bilhão no mês, e os gastos cresceram 23,82% em relação ao déficit de US$ 1,381 bilhão em agosto de 2012.
Os dados foram divulgados hoje (24) pelo chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Túlio Maciel, ao apresentar o Relatório do Setor Externo referente ao mês passado. No acumulado de janeiro a agosto, o déficit na balança de turismo chega a US$ 12,233 bilhões, com expansão de 21,40% em relação aos US$ 10,076 bilhões de déficit no mesmo período de 2012.
Enquanto os brasileiros gastam mais no exterior, os estrangeiros deixam menos dólares no Brasil. Situação já verificada em julho, quando as despesas somaram US$ 2,214 bilhões e as receitas ficaram em US$ 539 milhões, com déficit mensal de US$ 1,674 bilhão. Números próximos a agosto, e pelas contas de Túlio Maciel, o ritmo de gastos foi mantido em setembro, pois até a última sexta-feira (20) o déficit com turismo no mês somava US$ 1,207 bilhão. "Não temos observado desaceleração de gastos com viagens", disse.
Maciel não falou sobre as causas que levam os brasileiros a gastar tanto no exterior. Mesmo indagado sobre a situação de o turismo interno caro, com preços proibitivos da rede hoteleira doméstica, que desestimulam o turismo doméstico, ele disse que não dá para fazer um retrato do momento, com base na valorização cambial, uma vez que muitas compras são planejadas com bastante antecedência e os desembolsos para a viagem são em parcelas mensais.

Edição: Aécio Amado
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Recursos desembolsados pelo BNDES crescem 50% entre janeiro e julho

Economia



Recursos desembolsados pelo BNDES crescem 50% entre janeiro e julho
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/recursos-desembolsados-pelo-bndes-crescem-50-entre-janeiro-e-julho
Sep 24th 2013, 17:23

Alana Gandra

Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - Os recursos desembolsados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) entre janeiro e julho deste ano cresceram 50% em comparação ao mesmo período do ano passado, totalizando o recorde de R$ 102 bilhões. A informação foi divulgada hoje (24) pela instituição, por meio de sua assessoria de imprensa.
No desempenho do banco, tiveram destaque as liberações efetuadas para o segmento de micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), que evoluíram 52%, atingindo R$ 37,8 bilhões. As MPMEs participaram com 37% nos desembolsos acumulados do BNDES até julho, somando 615,8 mil operações de financiamento, ou 96% do total.
Foram liberados R$ 33,6 bilhões para a indústria, o que representa uma elevação de 47% sobre os sete primeiros meses de 2012. Houve crescimento em todos os segmentos, informou o BNDES. Os demais setores atendidos receberam recursos de R$ 31,3 bilhões (infraestrutura), R$ 26,4 bilhões (comércio e serviços) e R$ 10,5 bilhões (agropecuária).
Em termos regionais, a Região Sudeste seguiu liderando o volume liberado entre janeiro e julho, com R$ 45,4 bilhões, seguida das regiões Sul, com R$ 25,3 bilhões, e Nordeste (R$ 14,6 bilhões).



No período de 12 meses encerrado em julho, o BNDES atingiu desembolso também recorde de R$ 190,2 bilhões. Desse volume, mais de 60% foram direcionados aos setores da indústria e infraestrutura. Um aumento de 76% para o setor agropecuário foi registrado em relação a igual período anterior. As liberações para o setor agropecuário alcançaram R$ 16,6 bilhões no período, impulsionadas pela safra recorde deste ano, segundo o banco.
O Programa de Sustentação do Investimento (PSI) foi apontado como essencial para o resultado. Voltado, em especial, para a aquisição de máquinas e equipamentos, o banco desembolsou, por meio do BNDES PSI, um total de R$ 75,6 bilhões nos 12 meses encerrados em julho, indicando acréscimo de 133%. Para a área social, as liberações somaram R$ 24,7 bilhões, nos últimos 12 meses, com expansão de 149%.
Por regiões, a análise de 12 meses mostra que o maior incremento das liberações foi registrado no Centro-Oeste (105%), com recursos de R$ 24,5 bilhões, seguido do Nordeste (63%), com R$ 28,3 bilhões. Para o Sudeste, apesar do maior volume desembolsado (R$ 84 bilhões), o aumento foi 23%.
Edição: Fábio Massalli
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Vendas de etanol crescem 26%

Economia



Vendas de etanol crescem 26%
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/vendas-de-etanol-crescem-26
Sep 24th 2013, 16:44

Daniel Mello

Repórter da Agência Brasil
São Paulo – Desde o início da safra em 1º de abril, as vendas de etanol pelas usinas do Centro-Sul registraram, até o último dia 16, aumento de 26,23% em relação ao mesmo período da safra anterior. Segundo balanço divulgado hoje (24) pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), foram vendidos 12,02 bilhões de litros, contra 9,72 bilhões de litros comercializados no mesmo período de 2012.
Na primeira quinzena de setembro, as vendas para o mercado interno de etanol anidro, usado para mistura com a gasolina, totalizaram 354,63 milhões de litros. O volume representa crescimento de 27,5% sobre os 277,92 milhões de litros vendidos nos primeiros quinze dias de setembro de 2012. Na quinzena, as vendas de etanol hidratado, usado diretamente para o abastecimento dos automóveis, alcançaram 546,53 milhões de litros, crescimento de 13,4% em relação ao mesmo período de 2012.
Desde o início da safra, a moagem das usinas do Centro-Sul somou 406,26 milhões de toneladas, aumento de 16,21% em relação à safra de 2012. Na primeira quinzena de setembro, no entanto, foi registrada queda de 11,73% em relação a última metade de agosto, totalizando 42,84 milhões de toneladas.
Até o momento, 44,97% da cana processada foi destinada a produção de açúcar, índice abaixo dos 49,5% verificados no mesmo período da safra passada.


Edição: Beto Coura

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Déficit em conta-corrente externa soma US$ 5,5 bilhões em agosto

Economia



Déficit em conta-corrente externa soma US$ 5,5 bilhões em agosto
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/deficit-em-conta-corrente-externa-soma-us-55-bilhoes-em-agosto
Sep 24th 2013, 15:35

Stênio Ribeiro

Repórter da Agência Brasil
Brasília – O déficit em transações correntes somou US$ 5,5 bilhões em agosto – mais do que o dobro do déficit de US$ 2,5 bilhões em igual mês do ano passado –, e o déficit acumulado no ano atinge US$ 57,9 bilhões, ante US$ 31,5 bilhões de janeiro a agosto de 2012. Nos últimos 12 meses, o déficit em conta-corrente acumula US$ 80,6 bilhões, que correspondem a 3,6% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país), de acordo com números do Relatório do Setor Externo, divulgado hoje (24) pelo Banco Central.
O balanço de pagamentos ficou devedor em US$ 3,2 bilhões, e a conta de serviços teve déficit de US$ 4,2 bilhões em agosto. Os maiores gastos externos foram com viagens (US$ 1,7 bilhão), com aumento de 23,8% em relação ao mesmo mês de 2012. Os estrangeiros gastaram 4,6% a menos, enquanto os brasileiros deixaram 15,8% a mais lá fora. Despesas com transportes somaram US$ 911 milhões (+21,1%) e houve mais gastos com aluguel de equipamentos, royalties e licenças.
As remessas líquidas de renda para o exterior somaram US$ 2,7 bilhões no mês, com recuo de 10,7% na comparação com o mesmo mês de 2012. No ano, as remessas brutas de lucros e dividendos totalizam US$ 18,7 bilhões, com elevação de 1,7% na comparação com igual período do ano passado. As despesas líquidas de juros alcançara US$ 799 milhões no mês e somam US$ 8,8 bilhões no ano, ante US$ 6,8 bilhões de janeiro a agosto do ano passado.


Edição: Beto Coura

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Brasileiros sonegaram R$ 300 bilhões em tributos neste ano

Economia



Brasileiros sonegaram R$ 300 bilhões em tributos neste ano
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/brasileiros-sonegaram-r-300-bilhoes-em-tributos-neste-ano
Sep 24th 2013, 15:27

Wellton Máximo

Repórter da Agência Brasil

Brasília – Os brasileiros sonegaram R$ 300 bilhões em tributos até agora em 2013. A quantia supera a riqueza produzida pela maioria dos estados. Até o fim do ano, o valor que deixa de chegar aos cofres públicos deverá atingir R$ 415 bilhões, o equivalente a 10% do Produto Interno Bruto (PIB), soma dos bens e serviços produzidos no país, estima o Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz).
O Sinprofaz desenvolveu um placar online da sonegação fiscal no Brasil. Chamada de Sonegômetro, a ferramenta permite acompanhar em tempo real o quanto o país deixa de arrecadar todos os dias. Os números são atualizados constantemente no endereço eletrônico www.sonegometro.com.
De acordo com o estudo, se não houvesse sonegação de impostos, o peso da carga tributária poderia ser reduzido em até 20% e, ainda assim, o nível de arrecadação seria mantido. A ação faz parte da campanha Quanto Custa o Brasil pra Você?, criada pela entidade em 2009.
A contagem começou em 1º de janeiro. O valor sonegado até o momento é superior à arrecadação do Imposto de Renda em 2011 (R$ 278,3 bilhões). Na comparação com o PIB dos estados, a sonegação estaria em quarto lugar entre as 27 unidades da Federação.
Os R$ 300 bilhões que o governo deixou de receber até agora só estão atrás do PIB de São Paulo (R$ 1,248 trilhão), do Rio de Janeiro (R$ 407 bilhões) e de Minas Gerais (R$ 351 bilhões). A quantia sonegada, informa o Sinprofaz, equivale a mais do que a riqueza produzida pelo Rio Grande do Sul (R$ 252,5 bilhões), pelo Paraná (R$ 217 bilhões) e pelo Distrito Federal (R$ 150 bilhões).
Para chegar ao índice de sonegação, o levantamento do Sinprofaz selecionou 13 tributos que correspondem a 87,4% da arrecadação tributária no Brasil. Os principais tributos analisados foram os impostos de Renda (IR), sobre Produtos Industrializados (IPI) e sobre Operações Financeiras (IOF), a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), aContribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) e os impostos sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e sobre Serviços (ISS).
O Sinprofaz também incluiu no estudo as contribuições dos empregadores para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e os pagamentos de patrões e empregados ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).
Amanhã (25), o Sinprofaz instalará um painel móvel em Brasília com os números da sonegação. O placar circulará nas proximidades do Congresso Nacional. O sindicato também promoverá a distribuição de materiais educativos.
Edição: Nádia Franco
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

BC vai manter política de atuação diária no mercado de câmbio, diz Tombini

Economia



BC vai manter política de atuação diária no mercado de câmbio, diz Tombini
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/bc-vai-manter-politica-de-atuacao-diaria-no-mercado-de-cambio-diz-tombini
Sep 24th 2013, 13:08


Kelly Oliveira

Repórter da Agência Brasil
Brasília – O processo de transição das condições monetárias da economia mundial continua, segundo avaliação do presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, mesmo com a manutenção das políticas de estímulo econômico nos Estados Unidos.
Por isso, na apresentação que faz na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, Tombini também reforçou que não há novidades quanto à atuação diária do BC no mercado de câmbio, anunciada no dia 22 de agosto.
No último dia 18, o Federal Reserve (Fed - o Banco Central dos Estados Unidos) anunciou que vai manter o programa de estímulo à economia que irriga o mercado norte-americano com US$ 85 bilhões, em média, por mês.
A expectativa do mercado era que o Fed iniciasse a redução desses estímulos. Essa expectativa levou à alta do dólar no Brasil e em outros países, nos últimos meses. Com isso, o governo adotou, entre outras medidas, as intervenções no mercado de câmbio, para suavizar a alta da moeda. Ao comentar o anúncio norte-americano, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, chegou a dizer que o BC poderia diminuir sua intervenção diária.
Entretanto, Tombini destacou que o Fed apenas postergou a decisão de reduzir os estímulos. "Isso, no nosso entender, não significar que o processo parou ou retrocedeu", disse.
Segundo Tombini, o programa de atuação diária no mercado cambial "está adequado e funcionado bem". Tombini acrescentou que o programa trouxo tranquilidade aos agentes econômicos, que sabem que terão proteção cambial caso necessitem.
Mais cedo, Tombini disse aos senadores que a percepção de muitos agentes econômicos está mais pessimista do que a realidade dos números. "A indústria apresenta retomada gradual. O setor de serviços continua a se expandir, mas em ritmo menos intenso de que em anos anteriores. O setor agrícola continua a apresentar safras recordes", acrescentou.
Edição: Davi Oliveira
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

O presidente do BC, Alexandre Tombini, em audiência pública no Senado

Economia



O presidente do BC, Alexandre Tombini, em audiência pública no Senado
http://agenciabrasil.ebc.com.br/galeria/2013-09-24/presidente-do-bc-alexandre-tombini-em-audiencia-publica-no-senado
Sep 24th 2013, 13:40





You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Tombini critica pessimismo dos agentes econômicos ao falar no Senado

Economia



Tombini critica pessimismo dos agentes econômicos ao falar no Senado
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/tombini-critica-pessimismo-dos-agentes-economicos-ao-falar-no-senado
Sep 24th 2013, 12:32

Kelly Oliveira

Repórter da Agência Brasil
Brasília - A percepção de muitos agentes econômicos ainda está mais pessimista do que a realidade dos números. A avaliação é do presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.
Segundo Tombini, os investimentos estão se expandindo, a taxa de desemprego está historicamente baixa e há geração de novos postos de trabalho. Ele citou também o crescimento do crédito, com redução da inadimplência e do comprometimento da renda das famílias. "A indústria apresenta retomada gradual. O setor de serviços continua a se expandir, mas em ritmo menos intenso de que em anos anteriores. O setor agrícola continua a apresentar safras recordes", acrescentou.
O presidente do BC reforçou que a economia brasileira tem apresentado retomada gradual. Ele disse também que o BC atuará no combate à inflação como forma de ajudar a melhorar a confiança do setor produtivo e das famílias.
Segundo Tombini, a inflação ainda está "em patamares desconfortáveis", mas já retomou trajetória de declínio. Segundo ele, a recente alta do dólar leva a aumento da pressão inflacionário no curto prazo. Por isso, o BC terá que conduzir a política monetária para evitar que haja transmissão da alta do dólar para a inflação.
Edição: Davi Oliveira
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Inadimplência das empresas recua 3,5% em agosto, aponta Serasa

Economia



Inadimplência das empresas recua 3,5% em agosto, aponta Serasa
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/inadimplencia-das-empresas-recua-35-em-agosto-aponta-serasa
Sep 24th 2013, 11:11

Da Agência Brasil
São Paulo – A inadimplência das empresas recuou 3,5% em agosto, com relação a julho, de acordo com o índice divulgado hoje (24) pela empresa de consultoria Serasa Experian. Houve também uma queda de 0,7% na comparação de agosto deste ano com o mesmo mês de 2012. Porém, nos oito primeiros meses deste ano, foi registrado aumento de 1,4%, quando comparado com o mesmo período do ano passado.
Para os economistas da Serasa Experian, a queda da inadimplência entre as empresas brasileiras está diretamente relacionada ao recuo do índice entre os consumidores. Quando estes quitam suas dívidas de maneira mais efetiva, as empresas conseguem pagar as próprias.
Com relação aos cheques sem fundo, de acordo com a Serasa, entre janeiro e agosto deste ano, houve a maior alta, alcançando 10,0%, na comparação com ao mesmo período de 2012. Já em agosto ante julho, ficou praticamente estável, com queda de 0,1%. O valor médio da inadimplência dos cheques é R$ 2.461,93.
Em seguida, aparecem as dívidas não bancárias, como as de cartão de crédito e das contas de água, luz e telefone, com crescimento de 6,2% em oito meses sobre igual acumulado de 2012. O valor médio das dívidas é R$ 813,90. Em comparação ao mês anterior, houve recuo de 0,9%.
Já em relação aos títulos protestados, houve aumento de 5,3% ante os oito primeiros do ano passado. Porém, no comparativo com julho, foi verificada queda (9,8%).
A única queda registrada em relação aos meses de janeiro a agosto de 2012 foi das dívidas com banco, que recuaram 3,9%. Sobre o mês anterior, a queda foi menor (-3,3%).
Edição: Davi Oliveira
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Inflação recua em quatro de sete capitais pesquisadas, divulga FGV

Economia



Inflação recua em quatro de sete capitais pesquisadas, divulga FGV
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/inflacao-recua-em-quatro-de-sete-capitais-pesquisadas-divulga-fgv
Sep 24th 2013, 09:51

Vinícius Lisboa

Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - Quatro das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas tiveram redução na taxa de variação do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), na terceira semana de setembro, divulgou hoje o Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV). Porto Alegre teve o maior decréscimo (0,47% para 0,33%) e São Paulo a maior variação de alta (0,19% para 0,30%).
A inflação registrada no período de sete dias, divulgada ontem (24) pelo instituto, foi a mesma da semana anterior, 0,27%. O resultado em Porto Alegre deveu-se principalmente aos grupos educação, leitura e recreação, que caiu de 1,31% para 0,33%, e alimentação, de 0,67% para 0,22%.
Na capital paulista, a maior variação foi de vestuário (de -0,06% para 0,71%) seguida por comunicação (de 0,42% para 0,69%), transportes (de -0,16% para 0,04%), alimentação (de 0,26% para 0,38%) e saúde e cuidados pessoais (de 0,46% para 0,48%).
Recife, Salvador e Rio de Janeiro tiveram retrações menores na taxa. Brasília teve variação contrária, subindo de 0,32% para 0,33%, com acréscimo nos grupos transportes e habitação. Em Belo Horizonte, foram alimentação e comunicação os grupos que puxaram a alta na taxa de variação, de 0,29% para 0,37%.
De acordo com a FGV, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) mede a variação de preços de um conjunto fixo de bens e serviços componentes de despesas habituais de famílias com nível de renda situado entre 1 e 33 salários mínimos mensais. Sua pesquisa de preços se desenvolve diariamente, cobrindo sete das principais capitais do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, Recife, Porto Alegre e Brasília.
Edição: Davi Oliveira
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Confiança do consumidor interrompe queda e volta ao maior patamar desde fevereiro

Economia



Confiança do consumidor interrompe queda e volta ao maior patamar desde fevereiro
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-09-24/confianca-do-consumidor-interrompe-queda-e-volta-ao-maior-patamar-desde-fevereiro
Sep 24th 2013, 10:05

Vinícius Lisboa

Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - O Índice de Confiança do Consumidor interrompeu uma sequência de quedas em setembro e chegou ao maior nível desde fevereiro, com 114,2 pontos, mas a alta de 1% não foi suficiente para ultrapassar a média dos últimos cinco anos, de 114,9 pontos, divulgou hoje (24) a Fundação Getulio Vargas (FGV) na Sondagem de Expectativas do consumidor.
O índice começou o ano com 117,9 pontos, caiu para 116,2 em fevereiro e encerrou o primeiro trimestre com uma queda mais acentuada em março, para 113,9 pontos. Em abril, não houve variação, e, nos meses seguintes, o indicador continuou o recuo, para 113,4 pontos, em maio, 112,9 pontos, em junho, e para 108,3 pontos, em julho.
Em setembro do ano passado, o Índice de Confiança do Consumidor atingiu 122,1 pontos. O maior patamar em que o indicador chegou nos últimos cinco anos foi 128,7 pontos, em abril de 2012, e o menor foi 94,9, em dezembro de 2008, época atribulada pela crise financeira internacional.
A alta do percentual se deve principalmente ao Índice da Situação Atual, que avançou 3,5%, recuperando boa parte das perdas de junho, julho e agosto. O Índice de Expectativas subiu 0,4%, para 110,8 pontos e continua acima da média dos últimos cinco anos, que é 108,1 pontos, enquanto o ISA mantém-se abaixo dos 127,8 pontos de média.
Em setembro, 17,3% dos consumidores avaliaram a situação econômica como boa, parcela 0,1 ponto percentual menor que a de agosto. Por outro lado, os que julgaram ruim caiu de 37,8% para 34,1%.
Para os seis meses seguintes, avançou 0,7% o indicador que mede a intenção dos consumidores de adquirirem bens duráveis. Apesar disso, o desejo de compras maiores passou de 16% para 13,4%, e as menores, de 30,1% para 26,9%.
Edição: Talita Cavalcante
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at http://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
http://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92



Explore os canais Ouni

Notícias
Nacional

Internacional
Finanças
Política
Justiça
Segundo Caderno
Esportes


Educação
Inovação

Serviços
Barra de Ferramentas

Buscador
Previsão do Tempo
Tradutor
Viagens

Entretenimento
Carros

Cultura
Famosos
MAXX FM
Música
Stations (Busca Rádios)

Estilo de vida
Homem

Mulher

Chat
Amizade

Encontros
Livre
Paquera
Sexo (+ 18 anos)
Webmasters
Outras salas

Fale conosco
Atendimento Virtual
Avalie-nos
E-mail

Fone Fácil
Fórum
Reclame Aqui
Redes Sociais

Copyright 2008 - 2017 © Ouni - Todos os direitos reservados.
"O uso desse website significa que você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade"

Informações Importantes | Política de Privacidade | Termos de Uso

Vá para o Ouni