Lucro líquido da Petrobras cresce 29% de janeiro a setembro em relação à igual período de 2012

25 de outubro de 2013

Economia



Lucro líquido da Petrobras cresce 29% de janeiro a setembro em relação à igual período de 2012
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/lucro-liquido-da-petrobras-cresce-29-de-janeiro-setembro-em-relacao-igual-periodo-de-2012
Oct 25th 2013, 22:05

Vladimir Platonow

Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro – A Petrobras divulgou hoje (25), por meio de nota, os resultados financeiros referentes ao terceiro trimestre do ano. O lucro líquido, de janeiro a setembro, foi 29% maior do que o alcançado no mesmo período de 2012, ficando em R$ 17,289 bilhões. A petroleira justificou o avanço "em função do maior resultado operacional e do menor impacto cambial no resultado financeiro".
Na nota, a estatal informou que houve aumento de 3% no resultado operacional, como reflexo dos ganhos com a venda de ativos e "as menores baixas de poços secos e subcomerciais que compensaram as perdas com a defasagem de preços".
O lucro líquido no terceiro trimestre, de R$ 3,4 bilhões, foi 45% inferior em relação ao segundo trimestre deste ano, "refletindo o menor lucro operacional, parcialmente compensado pelo melhor resultado financeiro. O resultado operacional foi 51% menor, impactado pelo aumento das importações de derivados e pela maior defasagem no preço dos derivados, decorrente da depreciação cambial aliado ao aumento do preço internacional do petróleo".
De acordo com a estatal, a produção de petróleo e gás natural totalizou 2,542 milhões de barris de óleo equivalente por dia, na média dos nove meses, 2% inferior ao mesmo período de 2012, "em consequência do declínio natural dos campos, da maior concentração de paradas programadas em 2013 e da venda de ativos no exterior".
A produção de derivados totalizou 2,131 milhões de barris/dia na média dos nove meses, 7% superior ao mesmo período de 2012, com recorde mensal de processamento em julho e recorde na produção de diesel e gasolina em agosto".
O detalhamento dos resultados da estatal será feito pelos diretores Almir Barbassa (Financeiro e de Relações com Investidores), José Alcides Santoro (Gás e Energia), José Carlos Cosenza (Abastecimento) e José Miranda Formigli (Exploração e Produção), na próxima segunda-feira (28), a partir das 10h, para investidores e analistas. Após haverá coletiva de imprensa, às 12h, na sede da companhia, no centro do Rio.

Edição: Fábio Massalli
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Dólar fecha pregão desta sexta-feira em baixa

Economia



Dólar fecha pregão desta sexta-feira em baixa
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/dolar-fecha-pregao-desta-sexta-feira-em-baixa
Oct 25th 2013, 20:31


Stênio Ribeiro

Repórter da Agência Brasil
Brasília – O dólar fechou o pregão de hoje (25) cotado a R$ 2,188 para venda, com queda de 0,57% em relação à véspera. Recuo provocado pelo anúncio do Banco Central, de que vai oferecer em leilões, nos dias 28, 29 e 30 deste mês, um lote de swaps cambiais (equivalente à venda futura de dólares) com vencimento em 1º de novembro.
A rolagem do vencimento, anunciada ontem (24) à noite, depois do fechamento do mercado financeiro, fez com que a cotação da moeda norte-americana revertesse a tendência de alta depois de dois pregões em ascensão, com o dólar valendo R$ 2,204.
O mercado de ações também encerrou a semana em queda. No pregão desta sexta-feira, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), registrou o terceiro recuo, em baixa de 1,32%, aos 54.154 pontos, depois de fechar 689.515 negócios no valor de R$ 5,504 bilhões.
Queda estimulada, em grande parte, pela desvalorização de ações de empresas do Grupo Eike Batista, como a OGX Petróleo (-19,44%) e a MMX Mineração (-9,09%). A queda do Ibovespa só não foi maior porque as ações da Petrobras e do Banco do Brasil tiveram boas valorizações.

Edição: Aécio Amado
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. É necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Aumento de interesse estrangeiro por ações do BB motivou ampliação de limite

Economia



Aumento de interesse estrangeiro por ações do BB motivou ampliação de limite
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/aumento-de-interesse-estrangeiro-por-acoes-do-bb-motivou-ampliacao-de-limite
Oct 25th 2013, 13:31

Kelly Oliveira

Repórter da Agência Brasil
Brasília – O aumento do interesse por ações do Banco do Brasil motivou a ampliação do limite de participação de capital estrangeiro na instituição. Hoje (25), no Diário Oficial da União, foi publicado decreto presidencial que elevou o limite dessa participação de 20% para 30% do capital ordinário da empresa.
Segundo o vice-presidente de Gestão Financeira e de Relações com Investidores do Banco do Brasil, Ivan Monteiro, o limite anterior (20%) havia sido autorizado pelo governo em setembro 2009. De acordo com Monteiro, atualmente, a participação já estava próxima desse limite. Em maio deste ano, chegou a 19,97%, e em junho, foi a 19,4%. "Há uma tendência de crescimento. Vai ultrapassar os 20%", disse.
"O objetivo [ao ampliar a participação estrangeira] é aumentar a liquidez das ações do banco. Quanto mais liquidez, mais valorizadas são", disse Monteiro.
Monteiro lembrou que há uma discussão sobre mudança na metologia de cálculo do Ibovespa, índice de ações da Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa). Segundo ele, há a discussão de incluir no índice tanto a liquidez quanto o valor da companhia. As ações do Banco do Brasil correspondem a cerca de 3,8% do Ibovespa.
Monteiro acrescentou que também haverá ganho relativo em relação à situação atual, ao se aumentar a liquidez das ações. De acordo com Monteiro, se o banco ganhar maior presença no índice, os fundos que acompanham o Ibovespa terão que comprar mais ações da instituição financeira.
De acordo com Monteiro, em junho deste ano, o governo tinha cerca de 58% do capital do banco e a Previ (previdência privada dos funcionários do Banco do Brasil), 10,4%. Outros 30,2% são de livre movimentação, com participação de brasileiros e estrangeiros.
Edição: Davi Oliveira
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias, é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Áustria e Ilhas Cayman têm a maior parte do capital brasileiro investido no exterior

Economia



Áustria e Ilhas Cayman têm a maior parte do capital brasileiro investido no exterior
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/austria-e-ilhas-cayman-tem-maior-parte-do-capital-brasileiro-investido-no-exterior
Oct 25th 2013, 14:01

Kelly Oliveira

Repórter da Agência Brasil

Brasília – A Áustria e as Ilhas Cayman são os principais destinos do investimento brasileiro no setor produtivo no exterior, conforme dados divulgados hoje (25) pelo Banco Central (BC). No ano passado, o estoque do investimento brasileiro direto, incluindo a participação de capital e os empréstimos intercompanhias, chegou a US$ 266,252 bilhões, contra US$ 202,586 bilhões, em 2011.
Segundo o Banco Central, do estoque total de participação de capital (US$ 247,172 bilhões), a Áustria respondeu por 22,9%. A maior parte do dinheiro foi para o setor de indústrias extrativas (US$ 45,030 bilhões).
Nas Ilhas Cayman, com saldo de US$ 40,264 bilhões investidos, a maior parte dos recursos foi aplicada em atividades financeiras, com US$ 37,261 bilhões.
Em seguida, estão os Países Baixos, com investimentos de US$ 28,186 bilhões, aplicados principalmente em indústrias extrativas, no total de US$ 13,691 bilhões, e em atividades financeiras, total de US$ 10,962 bilhões.
De acordo com o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, ainda não é possível saber o destino final dos recursos investidos no exterior. Maciel lembrou que há envio de recursos para paraísos fiscais. Segundo ele, as Ilhas Cayman, os Países Baixos, as Ilhas Virgens, Luxemburgo e as Bahamas são "tipicamente intermediários".
Além desses dados, o BC informou que os investimentos brasileiros em carteira (ações e títulos de renda fixa) no exterior ficaram em US$ 22,124 bilhões, em 2012, contra US$ 28,485 bilhões no ano anterior. Outros investimentos (empréstimos, créditos comerciais, moedas, depósitos, imóveis e outros) chegaram ao saldo de US$ 67,051 bilhões no passado, ante US$ 48,526 bilhões em 2011.
Os dados foram colhidos no Censo de Capitais Brasileiros no Exterior. De acordo com o BC, 23,179 mil pessoas físicas e 3,255 mil empresas fizeram a declaração de investimentos no exterior.
Edição: Nádia Franco
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Renan quer votar até o fim do ano autonomia do Banco Central

Economia



Renan quer votar até o fim do ano autonomia do Banco Central
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/renan-quer-votar-ate-fim-do-ano-autonomia-do-banco-central
Oct 25th 2013, 12:22

Karine Melo

Repórter da Agência Brasil
Brasília - Até o fim do ano, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), quer votar o substitutivo do senador Francisco Dornelles (PP-RJ) ao projeto que dá autonomia ao Banco Central (BC) – PLS 102/2007. O Brasil é o único país, entre os que adotam o regime de metas de inflação, cuja diretoria de Banco Central não tem mandato fixo. De acordo com o substitutivo em debate na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), o presidente do BC e os diretores da instituição devem cumprir seis anos de mandato, podendo ser reconduzidos uma vez.
"Vamos votar ainda este ano. [Esse] é o meu empenho, é o meu compromisso", disse Renan ao discursar em plenário nesta sexta-feira (25). Calheiros não descartou a possibilidade de o mandato ficar em quatro anos, com uma possível recondução, em período diferente do período do presidente da República.
Pelo substitutivo, a demissão do presidente ou dos diretores do BC pelo presidente da República terá de ser justificada e previamente aprovada pelo Senado, assim como a nomeação. Depois de aprovado pelo plenário do Senado, o projeto segue para discussão na Câmara.
Esta semana, a proposta, que enfrenta resistência do governo, ganhou força com a divulgação do novo estudo da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre a situação atual da economia brasileira e as perspectivas para os próximos anos. O documento sugere que os dirigentes do BC tenham mandato com prazo determinado e que somente os membros do Comitê de Política Monetária (Copom) se pronunciem sobre os juros.
"Na minha avaliação, o Brasil já está maduro para esse debate, e não devemos contaminá-lo ideologicamente. A discussão com relação à independência do Banco Central é uma discussão técnica, somente técnica. A principal função de qualquer Banco Central é zelar pela defesa do mais importante patrimônio de uma economia: sua moeda. No momento em que o Banco Central possa, por ausência de autonomia, ser pressionado, ele corre o sério risco de perder respeito e credibilidade dos agentes econômicos", destacou Renan.
Ainda segundo o presidente do Senado, para melhorar o que já está bom, para um projeto nacional de desenvolvimento autônomo e sustentável, é inevitável que o Banco Central, fortalecido, tenha independência e fique imune aos interesses vindos da esfera política, partidária e governamental ou até mesmo da vida privada. "Um Banco Central independente é a garantia de que a saúde da economia será sempre diagnosticada com olhos técnicos, isentos, descontaminados da miopia apaixonada das circunstâncias."
A Comissão de Assuntos Econômicos promove uma série de audiências públicas para debater a proposta. No mês passado, o texto foi defendido por economistas de bancos como o Credit Suisse e Bradesco. À época, Octavio de Barros, economista-chefe do Bradesco, previu "impacto institucional" semelhante a um Plano Real para a adoção da independência operacional do BC. Segundo ele, o Brasil está maduro em relação ao tema, e a politização em torno dele "já perdeu o sentido".
Edição: Talita Cavalcante
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Diminui participação de cartões de crédito nos gastos em viagens ao exterior

Economia



Diminui participação de cartões de crédito nos gastos em viagens ao exterior
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/diminui-participacao-de-cartoes-de-credito-nos-gastos-em-viagens-ao-exterior
Oct 25th 2013, 12:19

Kelly Oliveira

Repórter da Agência Brasil
Brasília – Os brasileiros estão fazendo menos compras com cartão de crédito no exterior. De acordo com dados do Banco Central (BC), em setembro, a participação do cartão de crédito nos gastos das viagens internacionais ficou em 44,4%.
Em março de 2011, quando o governo aumentou a cobrança de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) incidente nas compras com cartão de crédito para 6,38%, essa participação estava em 65%. No final de 2011 caiu para 60%, e no fim do ano passado passou para 53%.
Para o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, os brasileiros estão "contornando" a incidência do IOF ao reduzir as compras com cartão de crédito. Além disso, com as oscilações da cotação do dólar, os brasileiros evitam comprar no cartão para não ter "surpresas" com a fatura. Isso porque pode haver diferença entre a cotação no dia da compra e a cobrada na fatura.
Apesar do menor uso do cartão de crédito, os gastos de brasileiros no exterior continuam a crescer. Em setembro, essas despesas (incluídas as operações com cartão de crédito) totalizaram US$ 2,168 bilhões, resultado recorde para o mês.
Segundo Maciel, havia expectativa de que pudesse haver "alguma moderação no segundo semestre deste ano" nas despesas com viagens internacionais por causa da alta do dólar. Mas isso não ocorreu. Para ele, o aumento da renda dos brasileiro e as oportunidades oferecidas por países na Europa e pelos Estados Unidos, principalmente, estimulam as viagens. De acordo com Maciel, como as economias desses países ainda estão em recuperação lenta, há estímulos ao turismo.

Edição: Juliana Andrade
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil





You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Gastos de brasileiros no exterior têm maior aumento para meses de setembro

Economia



Gastos de brasileiros no exterior têm maior aumento para meses de setembro
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/gastos-de-brasileiros-no-exterior-tem-maior-aumento-para-meses-de-setembro
Oct 25th 2013, 11:09

Kelly Oliveira

Repórter da Agência Brasil
Brasília – Os gastos de brasileiros em viagens internacionais chegaram a US$ 2,168 bilhões em setembro, de acordo com dados do Banco Central (BC) divulgados hoje (25). É o maior resultado para meses de setembro, na série histórica do BC, iniciada em 1969.
No mesmo mês do ano passado, essas despesas ficaram em US$ 1,703 bilhão. De janeiro a setembro de 2013, os gastos somaram US$ 18,937 bilhões, contra US$ 16,339 bilhões.
As receitas de estrangeiros em viagens no Brasil chegaram a US$ 505 milhões no mês passado, contra US$ 441 milhões em setembro de 2012. No acumulado até setembro, o resultado ficou em US$ 5,041 bilhões, ante US$ 5 bilhões em igual período do ano passado.
Os dados de viagens internacionais estão incluídos na conta de serviços (transportes, aluguel de equipamentos, seguros, entre outros). No mês passado, houve saldo negativo das receitas e despesas dessa conta, no total de US$ 4,529 bilhões. Nos nove meses do ano, o déficit ficou em US$ 34,812 bilhões.
Por sua vez, a conta de serviços faz parte das transações correntes, que são as compras e as vendas de mercadorias e serviços do país com o resto do mundo. No mês, o saldo negativo das transações correntes ficou em US$ 2,629 bilhões, contra US$ 2,599 bilhões em setembro de 2012.
De janeiro a setembro, o déficit em conta corrente chegou a US$ 60,416 bilhões, bem maior que o resultado de igual período do ano passado (US$ 34,139 bilhões). Em todo o ano passado, esse saldo negativo chegou a US$ 54,230 bilhões.
Além de serviços, nas transações correntes também está incluída a conta de rendas (remessas de lucros e dividendos, pagamentos de juros e salários), com déficit de US$ 406 milhões em setembro e de US$ 26,213 bilhões nos nove meses do ano.
A balança comercial (exportações e importações), que também integra as transações correntes, apresentou superávit de US$ 2,146 bilhões em setembro e déficit de US$ 1,608 bilhão no acumulado do ano até o mês passado.
O ingresso líquido de transferências unilaterais correntes (doações e remessas de dólares que o país faz para o exterior ou recebe de outros países, sem contrapartida de serviços ou bens) ficou em US$ 161 milhões no mês passado e em 2,217 bilhões de janeiro a setembro deste ano.
Edição: Graça Adjuto
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil





You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Produção de petróleo no pré-sal supera 330 mil barris por dia

Economia



Produção de petróleo no pré-sal supera 330 mil barris por dia
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/producao-de-petroleo-no-pre-sal-supera-330-mil-barris-por-dia
Oct 25th 2013, 12:02

Vitor Abdala

Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro – A produção de petróleo da camada pré-sal nos campos operados pela Petrobras chegou ao recorde diário de 337,3 mil barris no dia 2 de setembro. O recorde anterior havia sido 326 mil barris/dia em 22 de junho. A média do mês de setembro foi 326,8 mil barris por dia, somando-se a parte relativa à Petrobras e às suas parceiras, em campos como Lula e Sapinhoá, na Bacia de Santos.
A produção total da Petrobras em setembro, incluindo os campos do pós-sal, foi 1,98 milhão de barris por dia, um crescimento de 3,7% em relação a agosto. O crescimento foi resultado da entrada em operação de novos poços nas plataformas FPSO Cidade de Itajaí, na Bacia de Santos; P-53 e P-54, na Bacia de Campos; e FPSO Piranema, na Bacia de Sergipe.
Incluindo a produção de gás natural em campos nacionais, a marca atingida foi 2,37 milhões de barris de óleo equivalente (óleo mais gás) por dia, ou seja, 3,2% acima de agosto. Somando-se o resultado obtido em campos no exterior, a produção chegou à média diária de 2,58 milhões de barris de óleo equivalente, 3% acima da produção de agosto.
Edição: Graça Adjuto
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Município baiano foi a maior economia agrícola em 2012

Economia



Município baiano foi a maior economia agrícola em 2012
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/municipio-baiano-foi-maior-economia-agricola-em-2012
Oct 25th 2013, 10:02

Flávia Villela*

Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro – São Desidério, na Bahia, foi a maior economia agrícola entre os municípios brasileiros em 2012, ao movimentar R$ 2,3 bilhões, e superou Sorriso, em Mato Grosso. A informação faz parte da pesquisa Produção Agrícola Municipal (PAM), divulgada hoje (25) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O município teve, no ano passado, 35,2% de aumento no valor da produção. Sorriso e São Desidério têm se alternado na primeira posição em valor de produção nos últimos anos. São Desidério liderou em 2007 e 2010. Em 2009, foi a vez de Sorriso, que também liderou em 2008.
Maior produtor de algodão do país, São Desidério foi responsável por 12,4% da produção brasileira desse cultivo (48,9% da produção baiana) e teve forte participação na produção de soja, que rendeu ao município o 11º lugar no ranking nacional da soja (23,5% da safra baiana).
Segundo o secretário municipal de Agricultura de São Desidério, José Marques, a produção é concentrada basicamente nas mãos de grandes produtores estrangeiros, como a Xinguagri, subsidiária do Grupo Multigrain (da japonesa Mitsui), e brasileiros, como a Fazenda Busato. "Algumas áreas chegam a 90 mil hectares, mas há também pequenos agricultores", comentou.
Ele contou que a agricultura no município ganhou força nas décadas de 70 e 80, com a migração de fazendeiros do Sul do país, atraídos pela geografia e pelo clima favorável do oeste baiano.
"Nossa região não está localizada no Semiárido, temos áreas planas, temos 24 rios perenes, um clima diferenciado extremamente favorável para a produção dessas culturas", disse Marques. "Hoje, o município é o maior produtor do Norte e do Nordeste", comemorou.
Sorriso, que passou para o segundo lugar no ranking em valor de produção, registrou R$ 2,06 bilhões em 2012. Continua, entretanto, a ser o maior produtor de soja (1,9 milhão de toneladas, ou 3% da produção nacional) e milho. O valor da produção cresceu 9,1%, devido à produção de milho 124,6% maior.
*Colaborou Vítor Abdala
Edição: Graça Adjuto
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Governo aumenta limite de participação de capital estrangeiro no Banco do Brasil

Economia



Governo aumenta limite de participação de capital estrangeiro no Banco do Brasil
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/governo-aumenta-limite-de-participacao-de-capital-estrangeiro-no-banco-do-brasil
Oct 25th 2013, 09:22

Kelly Oliveira

Repórter da Agência Brasil
Brasília - O Banco do Brasil poderá ter maior participação de capital estrangeiro. Um decreto presidencial publicado hoje (25) no Diário Oficial da União estabelece que essa participação pode chegar a 30%. Atualmente, o limite é 20%.
Segundo o decreto, é do interesse do governo brasileiro a participação estrangeira no capital ordinário do Banco do Brasil.
O governo também informa que o Banco Central adotará as providências para execução do decreto. O novo limite entra em vigor hoje.
Edição: Talita Cavalcante
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Produção brasileira de milho aumenta 27,7% em 2012 e supera a de soja

Economia



Produção brasileira de milho aumenta 27,7% em 2012 e supera a de soja
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/producao-brasileira-de-milho-aumenta-277-em-2012-e-supera-de-soja
Oct 25th 2013, 10:04

Flávia Villela

Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - A produção brasileira de milho chegou a 71,1 milhões de toneladas em 2012, com aumento de 27,7%, e superou a de soja (65,9 milhões de toneladas), que era líder desde 2002, antes de ter queda na produção de 12% por falta de chuvas no Sul e no Nordeste. Os dados fazem parte da pesquisa Produção Agrícola Municipal (PAM) divulgada hoje (25) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O estudo aponta a quebra na safra dos Estados Unidos, maior produtor mundial, como o principal estímulo para o aumento da área plantada brasileira em 1,5 milhão de hectares (10,7%) e os investimentos em tecnologia.
O maior crescimento dessa cultura foi registrado no Centro-Oeste, que não sofreu com a seca. O Paraná, maior produtor de arroz, com 23,3% de participação na safra nacional, aumentou a produção em 32,7% na comparação com 2011. Mato Grosso apresentou o maior aumento na produção, 101,5% a mais que no ano anterior e foi o maior produtor da segunda safra de milho (38,3 milhões de toneladas), que superou pela primeira vez a primeira safra (32,8 milhões de toneladas).
Apesar da expansão da área plantada em 1,1 milhão de hectares, fazendo a soja ocupar 25,1 milhões de hectares, 36,3% da área plantada no país, o resultado não se refletiu em aumento de produção. Segundo o IBGE, o motivo foi a falta de chuvas regulares na Região Sul, em Mato Grosso do Sul, na Bahia e no Piauí. Entretanto, a soja continua tendo o maior valor de produção (24,7%), seguida da cana-de-açúcar (19,8%) e do milho (13,2%).
Edição: Graça Adjuto
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Valor da produção agrícola brasileira aumenta 4,3% em 2012

Economia



Valor da produção agrícola brasileira aumenta 4,3% em 2012
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/valor-da-producao-agricola-brasileira-aumenta-43-em-2012
Oct 25th 2013, 10:01

Flávia Villela

Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro – O valor da produção agrícola brasileira cresceu 4,3 % em 2012 e chegou a R$ 204 bilhões, segundo a pesquisa Produção Agrícola Municipal (PAM) divulgada hoje (25) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A área agrícola cultivada em 2012 chegou a 69,2 milhões de hectares, 1 milhão a mais do que em 2011. Segundo o estudo, o resultado maior deveu-se ao aumento das áreas cultivadas com soja e milho.
Milho, feijão e algodão deram as maiores contribuições para o aumento do valor da produção, com altas de 20,7%, 20,7% e 11,8%, respectivamente. Mas a soja continua com a maior participação no valor da produção agrícola do país (24,7%), seguida da cana-de-açúcar (19,8%) e do milho (13,2%).
São Desidério, na Bahia, foi o município com o maior valor de produção no ano passado (R$ 2,3 bilhões) e superou Sorriso, em Mato Grosso. Entre as 64 culturas investigadas, 41 tiveram queda na produção em relação a 2011, com destaque para o feijão (-18,6%), arroz (-14,3%), a soja (-12,1), mandioca (-9,1%), o algodão (-2%) e a cana (-1,8%).
São Paulo continua sendo o estado com a maior participação (17,8%) no valor da produção agrícola nacional, com aumento de R$ 1,7 bilhão. Mato Grosso passou a ser o segundo no ranking de maior valor de produção (R$ 26 bilhões), ao ultrapassar o Paraná e Minas Gerais. O motivo, de acordo com o IBGE, foi a maior produção de milho, soja e algodão.
O estudo mostrou também concentração de produtos e regiões na produção agrícola brasileira. A soja é o principal produto em nove estados e a cana-de-açúcar em seis. Além disso, mais da metade do valor da produção agrícola brasileira (55,4%) vêm de apenas quatro estados: São Paulo, Mato Grosso, Minas Gerais e Paraná.
O IBGE demonstrou preocupação com o fato de que a agricultura está concentrada em poucos produtos em alguns estados, o que pode trazer "sérios prejuízos em caso de intempéries ou queda nos preços". Os exemplos que a pesquisa destacou foram Alagoas, onde a cana-de-açúcar responde por 86% do valor de produção, e o Espírito Santo, que tem mais de dois terços (70,4%) do valor da produção agrícola provenientes do café.
A PAM investiga 64 produtos agrícolas em quase todos os 5.565 municípios do país e traz informações sobre as áreas plantada e colhida, a quantidade produzida e o valor da produção. O estudo possibilita o acompanhamento da evolução das principais culturas: soja, cana-de-açúcar, milho e demais grãos, algodão, arroz, feijão, entre outros, assim como 22 espécies de frutas. Em 2012, pela primeira vez, a PAM traz informações sobre a produção das espécies de café arábica e canephora, separadamente.
Edição: Graça Adjuto
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92

Inflação perde força em SP, mas alimentos ficam mais caros

Economia



Inflação perde força em SP, mas alimentos ficam mais caros
http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-10-25/inflacao-perde-forca-em-sp-mas-alimentos-ficam-mais-caros
Oct 25th 2013, 08:53

Marli Moreira

Repórter Marli Moreira
São Paulo - O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), atingiu 0,39%, na terceira semana de outubro, o que significa um aumento de 0,02 ponto percentual sobre o resultado anterior. Essa elevação foi menos intensa do que a registrada na passagem da primeira prévia para a segunda semana (de 0,29% para 0,37%).
A maior correção de preços ocorreu no grupo alimentação com 0,90% ante 0,61%, seguida por despesas pessoais com 0,67% ante 0,51% e educação com 0,13% ante 0,10%. Em compensação, no grupo vestuário os preços recuaram em 0,03% ante uma alta de 0,25% e nos demais grupos foram constatados decréscimos.
Em habitação, o efeito aluguel já não causa tanta pressão como antes sobre o índice. Nesse grupo, a taxa ficou em 0,15% ante 0,25%. No grupo transportes, o IPC passou de 0,16% para 0,13% e em saúde, houve aumento de 0,67%, abaixo da variação passada que tinha atingido 0,51%.
Edição: Talita Cavalcante
Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil



You are receiving this email because you subscribed to this feed at https://blogtrottr.com

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe here:
https://blogtrottr.com/unsubscribe/pnn/jxDP92



Explore os canais Ouni

Notícias
Nacional

Internacional
Finanças
Política
Justiça
Segundo Caderno
Esportes


Educação
Inovação

Serviços
Barra de Ferramentas

Buscador
Previsão do Tempo
Tradutor
Viagens

Entretenimento
Carros

Cultura
Famosos
MAXX FM
Música
Stations (Busca Rádios)

Estilo de vida
Homem

Mulher

Chat
Amizade

Encontros
Livre
Paquera
Sexo (+ 18 anos)
Webmasters
Outras salas

Fale conosco
Atendimento Virtual
Avalie-nos
E-mail

Fone Fácil
Fórum
Reclame Aqui
Redes Sociais

Copyright 2008 - 2017 © Ouni - Todos os direitos reservados.
"O uso desse website significa que você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade"

Informações Importantes | Política de Privacidade | Termos de Uso

Vá para o Ouni